A economia mundial passa por um momento de instabilidade e indefinições em relação ao desempenho nos próximos anos. O surgimento da pandemia da Covid-19, associada à outros fatores, como a disputa comercial entre EUA e China, e o Brexit, são alguns importantes fatores que têm influenciado o cenário econômico.

De um modo geral, os juros internacionais voltaram a cair visando incentivar o crescimento econômico, ainda que já estivessem em patamares historicamente baixos. O endividamento das nações, que já estava em níveis preocupantes após a crise de 2008, está se elevando ainda mais, e seu impacto ocorrerá nos próximos anos.

Os Estados Unidos, a primeira economia do mundo, vinha registrando uma sólida evolução de seu PIB e, assim como os demais países, deve apresentar uma forte redução do PIB em 2020.

O gráfico abaixo demonstra um recorde de tempo de crescimento mensal, iniciado a partir de junho de 2009, que está sendo interrompido.

A economia brasileira, que se encontrava em contexto de baixo crescimento nos últimos anos, após uma forte recessão iniciada no 2° trimestre de 2014,  deve registrar uma queda significativa do PIB em 2020.

O gráfico a seguir demonstra a evolução do PIB real trimestral, em comparação ao ano anterior, de 2014 até o 1° trimestre de deste ano.

O Banco Central do Brasil (BCB) reduziu, em agosto de 2020, a taxa básica de juros da economia, a Selic, para 2,0% ao ano. Os juros reais no Brasil já se situavam no patamar negativo no mês anterior, em julho de 2020 (-0,06%). Dessa forma, os portfólios de investimentos serão afetados e os riscos mais incorporados nas estratégias dos gestores e dos aplicadores em geral, inclusive podendo acarretar em ativos sobrevalorizados no mercado financeiro e de capitais.

O gráfico a seguir demonstra a evolução da meta da taxa Selic, do IPCA e dos juros reais de janeiro de 2017 até julho de 2020.

Espera-se uma recuperação do PIB em 2021, ainda que de forma lenta, dependendo, principalmente, da solução para a Covid-19, via o surgimento de nova vacina. A reforma tributária e a reforma administrativa são outros fatores que podem contribuir positivamente para o cenário econômico do país, se bem estruturados e efetivamente aplicados.